Reading Time: 4 minutes

Fenômeno de Raynaud: o que é, diagnóstico e causas

fenômeno de raynaud
Conheça o fenômeno de Raynaud.

Você já ouviu falar no Fenômeno de Raynaud?

 

Trata-se de um distúrbio que afeta a circulação sanguínea das extremidades, principalmente mãos e pés.

 

Neste texto, vamos nos aprofundar nos sintomas deste fenômeno, tratamentos e outras particularidades.

 

O que é Fenômeno de Raynaud? 

O Fenômeno de Raynaud é causado por uma reação exagerada dos vasos sanguíneos ao frio (que pode ser leve, como entrar em um ambiente com ar condicionado, lavar as mãos com água fria ou ser exposto a baixas temperaturas) e que leva a um processo de vasoconstrição, o que acaba resultando na redução do fluxo sanguíneo. 

 

Com isso, dedos das mãos e dos pés, nariz, lábios, orelhas e até a língua, podem apresentar dor e alterações de cor (devido à falta de oxigenação). Classicamente, eles ficam pálidos primeiro, depois cianóticos e finalmente vermelhos, quando o sangue começa a circular novamente. 

 

 

Fenômeno de Raynaud primário x secundário: diferenças 

O fenômeno de Raynaud pode não ter causa definida ou não estar associado a nenhum outro distúrbio, sendo chamado neste caso de primário. A maioria dos pacientes apresenta o fenômeno primário, que pode ocorrer em qualquer idade, mas principalmente entre 15 e 40 anos. De um modo geral, são indivíduos que vivem em locais muito frios, principalmente do sexo feminino.

 

O fenômeno de Raynaud secundário é menos frequente e geralmente mais vigoroso. Pode estar associado ao uso de drogas e exposição ocupacional a equipamentos vibratórios, como britadeiras. 

 

Também pode ser sintoma de certas doenças, muitas das quais são autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico e esclerose sistêmica.

 

Um reumatologista é um especialista que pode identificar, investigar o fenômeno e determinar suas causas e tratamentos.

 

 

Causas do Fenômeno de Raynaud 

Acredita-se que o fenômeno de Raynaud seja causado pela interrupção da resposta termorreguladora dos vasos sanguíneos da pele. Esses vasos sanguíneos normais têm um sistema de controle complexo que começa com sensores nervosos na pele. Esses sensores neurais capturam a temperatura ambiente e enviam essas informações para o sistema nervoso central.

O cérebro então envia sinais através do sistema nervoso simpático para os vasos sanguíneos da pele, que devem se contrair quando está frio e expandir quando está quente.

 

Estudos mostraram que em pacientes com o fenômeno de Raynaud, os receptores simpáticos α2C são hiperativos ou expressos no músculo liso das artérias termorreguladoras, levando a uma reação exagerada à hipotermia.

 

Outros estudos implicaram muitos outros mecanismos como causa ou exacerbação de respostas vasculares anormais. Estes incluem liberação anormal de moléculas vasoconstritoras (como endotelina) na parede do vaso sanguíneo ou produção reduzida de vasodilatadores (como prostaciclina e óxido nítrico). As pesquisas mostraram que, em alguns indivíduos, a liberação de vasodilatadores dos sensores nervosos é reduzida.

 

Elementos circulantes também podem liberar substâncias vasoativas; por exemplo, plaquetas liberando serotonina – um vasoconstritor.

 

Estudos recentes mostraram que alterações genéticas que levam à regulação da temperatura vascular alterada são encontradas em pacientes com o fenômeno de Raynaud primário. 

 

Outras causas comuns incluem o uso prolongado de ferramentas vibratórias (como gravadores); drogas simpatomiméticas (anti-histamínicos, efedrina, epinefrina), derivados do ergot (usados para tratar enxaquecas) e alguns medicamentos quimioterápicos (por exemplo, bleomicina); lesão de nervos periféricos, como síndrome do túnel do carpo, doença vascular oclusiva (por exemplo, doença arterial periférica) ou doença metabólica (incluindo hipotireoidismo).

 

 

Como diagnosticar Fenômeno de Raynaud? 

Este é um diagnóstico clínico caracterizado pelo aumento da sensibilidade ao frio com alterações típicas da cor da pele. Atualmente, não existem exames laboratoriais que possam identificar pacientes com o fenômeno.

 

Pacientes com o fenômeno de Raynaud devem ter uma história completa e exame físico para procurar a causa subjacente do ataque. É importante examinar cuidadosamente os vasos sanguíneos. Um teste especial é a endoscopia capilar ungueal, onde os médicos colocam uma gota de óleo na unha do paciente para obter uma visão melhor dos capilares na base da unha. 

 

O médico então examina a área sob um microscópio para procurar alterações nos vasos capilares, que podem aumentar, dilatar e até desaparecer em pacientes com esclerose sistêmica e outros distúrbios do tecido conjuntivo.

 

Exames laboratoriais são realizados, se a história e o exame físico confirmarem a presença de fenômenos de Raynaud secundário. O teste específico dependerá da hipótese diagnóstica. Por exemplo, no caso de esclerose sistêmica ou lúpus eritematoso sistêmico, serão feitos exames para avaliar a presença de autoanticorpos.

 

 

Tratamentos para Fenômeno de Raynaud 

Confira quais são:

 

Terapêutica não medicamentosa 

O tratamento se inicia com a reeducação do paciente sobre as causas para prevenir crises. Evitar temperaturas frias é a melhor forma de precaução.

 

O aquecimento do corpo, com roupas quentes e apropriadas, como meias, luvas e chapéus, deve ser uma prioridade. Evitar traumatismos nos dedos também é de extrema importância. O estresse emocional e a ansiedade podem agravar as crises. Em alguns pacientes, são necessárias e aconselhadas terapias para manejo do estresse.

 

Terapêutica medicamentosa 

Não há tratamento específico para cura do fenômeno de Raynaud. Além das mudanças comportamentais, algumas medicações podem ajudar no manejo das crises, como bloqueadores de canal de cálcio, por exemplo nifedipino e anlodipino, e prazosina.

 

Para os pacientes com o fenômeno de Raynaud secundário, é necessário tratar a condição base, conforme cada doença. A realização de simpatectomia é reservada para casos graves e refratários, entretanto a duração dos efeitos desse método é de aproximadamente 2 anos.

 

 

 

 

 

 

 

Conheça o Extensivo R1 e seja aprovado na residência de seus sonhos. O método é muito eficiente e tem aprovado centenas de residentes pelo Brasil!

 

 

 

 

Quer ser avisado sempre que um post novo sair? Inscreva-se na nossa newsletter!